CRU05 0.5 Degree 1961-1990 Mean Monthly Climatology e CRU05 0.5 Degree 1901-1995 Monthly Climate Time-Series

CRU05 0.5 Degree 1961-1990 Mean Monthly Climatology

Esta base de dados (New et al., 1999) tem informação sobre todas as áreas continentais do globo com a excepção da Antártida. Resulta de uma interpolação de dados de estações climatológicas numa rede regular de 0.5º de resolução para diferentes variáveis (frequência de dias com chuva, temperatura média, amplitude térmica diária, temperatura máxima, temperatura mínima, pressão de vapor, radiação solar, cobertura nebulosa, frequência de geada e velocidade do vento) para além da precipitação, único parâmetro a ser extraído para este trabalho. Como o próprio nome indica, trata-se de valores referentes à normal 1961-90. Contudo, estão disponíveis outras normais do século XX (1901-30 e 1931-60) calculadas sobre os dados do ficheiro que a seguir se descreve.

CRU05 0.5 Degree 1901-1995 Monthly Climate Time-Series

Esta base de dados tem a mesma resolução e cobertura espacial da anterior (New et al., 2000). Constitui a principal fonte de informação utilizada sobre os valores da precipitação, directamente interpolados a partir das séries temporais das estações climatológicas utilizadas (muitas delas oriundas do GHCN).
Para este trabalho foram retirados somente os pontos referentes ao espaço da Península Ibérica, com a resolução indicada trata-se de uma rede de 324 pontos com que possuem menos de 1% de falhas. A maior parte das variáveis cobrem uma janela temporal entre 1901 e 1995, mas no caso da precipitação e temperatura, a base de dados foi já actualizada até 1998. Assim, temos 1176 meses, correspondentes a 97 anos, o que faz desta base de dados a melhor, em termos de cobertura espacial e temporal da Península Ibérica. Esta cobertura espácio-temporal permite um estudo da variabilidade interanual com resultados estatisticamente significativos, ao contrário de outras existente, que se iniciam em 1950, como é o caso da base de dados da Universidade de Delaware (Univ. of Delaware Precipitation and Air Temp, Willmott e Robeson, 1995).
Os autores alertam para o facto de este tipo de ficheiros, devido ao esquema de interpolação usado, não permite a análise temporal de pontos de rede de forma individual. Quer isto dizer que não se pode extrair os dados de um ponto nas proximidades de um lugar qualquer e fazer uma análise da variabilidade desse ponto. Tal problema não surge com o ficheiro de Hulme onde os pontos podem ser analisados individualmente. Este ficheiro de alta resolução só faz sentido se a análise se centrar em áreas mais ou menos extensas, onde se incluam vários pontos.

A Figura em cima mostra a precipitação total mensal em mm no mês de Novembro de 1997, segundoi o ficheiro de New et al., 2000. O padrão da distribuição espacial é muito típico na Península Ibérica e está relacionado com a Oscilação do Atlântico Norte (NAO). Há um claro contraste entre a parte ocidental e a região do litoral oriental, virada para o mediterrâneo ocidental.

Referências

New, M; Hulme, M.; Jones, P.D.(1999) – Representing twentieth-century space-time climate variability. Part I: Development of a 1961-90 mean monthly terrestrial climatology. Journal of Climate, 12: 829-856.

New, M; Hulme, M.; Jones, P.D.(2000) – Representing twentieth-century space-time climate variability. Part II: Development of 1901-1996 monthly grids of terrestrial surface climate. Journal of Climate, 13: 2217-2238.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: