Sinal e ruído climáticos


O sinal climático pode ser resumido como o resultado de um conjunto de processos físicos e interacções (feedback’s positivos e negativos) entre os diferentes componentes do sistema climático que actuam nas mais variadas escalas temporais (minutos a milénios) e escalas espaciais (metros a milhares de quilómetros). A acção combinada e devidamente “doseada” destes feedback’s dão origem a fenómenos cíclicos mais ou menos irregulares (como é o caso do fenómeno ENSO), que também se designam por oscilações quase periódicas.

Anomalias das Temperaturas de superfície do oceano para o pderíodo de 10 de Dezembro de 2006 a 6 de Janeiro de 2007, mostrando o aquecimento no Pacífico equatorial.

Fonte: Climate Diagnostics Centre

A definição de sinal e ruído climáticos é algo subjectiva e está frequentemente associada aos objectivos de numerosos trabalhos. No entanto, o termo sinal tem um significado muito particular em climatologia, logo a distinção entre sinal e ruído deve ser feita com algum cuidado. Frequentemente, o termo sinal tem sido associado aos interesses específicos dos investigadores e ruído, por seu turno, a tudo o resto. Uma definição mais geral sustenta que sinal pode ser um padrão espácio-temporal de um qualquer parâmetro climático, que é determinado pela dinâmica do sistema climático. Já o ruído poderá ter um significado físico ou é, então, gerado pelos instrumentos de medição (termómetros, pluviómetros, etc.) e compreende todos os outros aspectos considerados irrelevantes para o sinal. Navarra (1999), alerta para os riscos que há em tentar discriminar sinal de ruído, uma vez que esta tarefa pode não ser coroada de êxito. Tal insucesso pode ficar a dever-se ao facto de os aspectos aleatórios do ruído serem frequentemente confundidos como sinal. Isto acontece devido a um problema inerente à aplicação da análise estatística na investigação climática: há só uma realização da variabilidade climática. Daqui surge o problema de vários estudos reutilizarem a mesma informação, não só o mesmo tipo de dados, mas também dados sobre o mesmo período do qual se possui informação instrumental. Desta forma, alguns processos aleatórios são, por vezes, considerados significativos (Navarra, 1999).

Referências

Navarra, A. (1999) – The development of climate research. In: Analysis of climate variability – Applications of statistical techniques. H. Von Storch a A. Navarra eds, Segunda Edição, Springer-Verlag, Berlin, 3-10.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: